sexta-feira, 11 de agosto de 2017


DANIEL CONSIDERA DISTRITÃO UM RETROCESSO

“Distritão é um retrocesso”, afirma Daniel Almeida



O deputado federal Daniel Almeida (PCdoB) considera um retrocesso a Emenda aprovada nesta quinta-feira (10), por 17 votos a 15, pela Comissão que discute mudanças no sistema eleitoral, que cria o “distritão” para a escolha de deputados federais, estaduais e vereadores.

Segundo o parlamentar, o sistema vai favorecer figuras já conhecidas na política. “O distritão é um retrocesso na estrutura política partidária e eleitoral porque, ao invés de fortalecer os partidos, o debate programático, fortalece o personalismo, o debate em torno de pessoas, e vai favorecer aqueles que já são mais visíveis, já tem mandatos, impedindo assim uma renovação política.”, destacou.

De acordo com o texto, cada estado ou município vira um distrito eleitoral e vence aquele candidato que conseguir mais votos, sem levar em conta os votos para o partido ou coligação. Esse modelo já acontece na escolha de governador, prefeito e senador. Ainda segundo o texto, a partir de 2022 passaria a vigorar o sistema distrital misto, em que metade dos candidatos são eleitos pelo sistema de lista e metade pelo voto majoritário distrital.

Daniel também criticou o modelo misto por excluir as minorias e não promover a devida representatividade. “O distrital misto também vai na mesma direção. É um modelo alemão, que retira o voto proporcional, impede a participação plural das correntes políticas e exclui as minorias. A tendência onde ele foi implementado foi essa. Na Alemanha nós temos exemplos assim. As vezes o partido alcança 30% de votos e só elege 10 ou 15% de cadeiras, as vezes até menos. Com isso, a representação que o partido tem na sociedade não corresponde a representação no parlamento.”

Na ocasião, o Colegiado aprovou ainda o Fundo Especial de Financiamento da Democracia, que em 2018 pode receber R$ 3,6 bilhões para financiamento público das campanhas eleitorais. Segundo Daniel, esta é a parte positiva do Projeto. “A única coisa positiva no sistema político eleitoral proposto é o financiamento público e um financiamento privado, de pessoa física com controle, sem exageros. Este é o aspecto positivo que a reforma traz.”, completou.

O Projeto agora segue para o Plenário e, por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), deverá ser votado em dois turnos antes de seguir para o Senado. Para ser aprovado, são necessários, no mínimo, 308 votos dos deputados em cada turno de votação. E para valer na eleição de 2018 precisa ser aprovado na Câmara e no Senado até a primeira semana de outubro deste ano.

 

Por: Gilmara Iglesias









Últimas Notícias


Trabalho Escravo
PDC susta medida que destrói combate ao trabalho escravo

Ato contra desestruturação do SUS
Ato na Câmara marca luta contra desestruturação do SUS

Desmonte dos Correios é criticado na Câmara
Daniel critica desmonte dos Correios na Câmara

Acesso à Previdência
População poderá ter acesso facilitado à Previdência

Financiamento de campanha
Congresso tenta avançar em fundo para financiamento de campanhas


Notícias relacionadas



Câmara mantém coligações para 2018

Reforma Política foi adiada para terça-feira (22)
Adiamento e impasses podem inviabilizar Reforma Política



Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br