quinta-feira, 23 de março de 2017

Governistas aprovam terceirização do trabalho



Por 231 votos a favor, 188 contra e 8 abstenções, o Plenário aprovou o parecer favorável do deputado Laercio Oliveira (SD-SE) para o substitutivo do Senado ao projeto de lei (PL 4302/98) que permite a terceirização.

Fábio Rodrigues Pozzebom / ABr

Depois de intenso debate no Plenário da Câmara dos Deputados, a bancada governista aprovou o projeto de lei da terceirização (PL 4302/98) na noite desta quarta-feira (22). A medida promove, segundo os deputados do PCdoB, “a precarização das relações de trabalho”. Salários rebaixados, acidentes sem punição e perda das proteções previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) são algumas consequências da proposta defendida pelo Planalto.

Mesmo obstruindo a sessão desde o fim da manhã, a oposição perdeu a queda de braço. A tentativa de barrar a votação, que iniciou às 13 horas, foi rejeitada pelos parlamentares da base de Michel Temer. Foram 231 votos a 35, contrários ao requerimento dos partido de esquerda que pediam o adiamento por uma sessão da apreciação do texto que permite a terceirização em todas as atividades de empresas públicas e privadas.

Com a aprovação do projeto sem restrição, o número de terceirizados pode chegar a 52 milhões de trabalhadores. A prioridade para os contratos temporários foi criticada pela vice-líder da Minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

“O mais grave é que as empresas irão contratar todos temporariamente. Sem o direito de férias, nenhuma verba indenizatória por rescisão, nem FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). O que estão fazendo é desmontar as leis do trabalho”, afirmou Jandira. 

Na prática, o prazo para estes contratos poderá ser estendido de três para até nove meses, tornando negociáveis direitos adquiridos historicamente pela sociedade.

Na primeira votação, com 275 votos contra 28 e 46 abstenções, foi rejeitado dispositivo do texto do Senado e mantido trecho da redação da Câmara, sobre trabalho temporário, para deixar claro que essa modalidade poderá ser usada nas atividades-fim e nas atividades-meio da empresa. A anistia de multas aplicadas às empresas pelo descumprimento da legislação sobre trabalho temporário foi considerada inconstitucional pelo relator.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), indicado para a presidência da Comissão do Trabalho na Câmara, alertou para o processo de desmonte das leis trabalhistas. “Esse é mais um ataque aos direitos do nosso povo. Transforma o trabalho temporário, que deveria ser uma eventualidade, em permanente. Parcela da Casa que serve a um governo ilegítimo, vota sim e cumpre ordens do capital.”  Atualmente, o setor financeiro está entre os setores que mais ganham com a terceirização. Os bancos empregam 1,5 milhão de trabalhadores no país, sendo 800 mil terceirizados.

De acordo com o estudo de 2015 da Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE) o auto-emprego e a geração de trabalho temporários aumentaram nos últimos 20 anos. Este modelo que o Brasil tenta copiar com a terceirização tem estimulado a desigualdade nos países industrializados do mundo.

Segundo a líder do PCdoB na Câmara, Alice Portugal (BA), a Espanha já teve 34% dos seus trabalhadores temporários, “precarizou os direitos e priorou a qualidade da mão de obra". Ela lembrou que o projeto apreciado pelo parlamento "tem 18 anos, portanto inadequado e ultrapassado. Foi testado na Espanha e em Portugal, levando estas nações ao desastre”.   

A presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos (PE), destacou que a terceirização é parte da fatura que o governo de Temer está pagando aos rentistas que financiaram o impeachment de Dilma Rousseff. “ Esse é um dos compromissos que o consórcio golpista assumiu com a iniciativa privada. É a retirada de direitos que impacta negativamente na produtividade do trabalho”, denunciou.

O texto aprovado pela Câmara segue agora para a sanção presidencial. 

Por: Iberê Lopes
Fonte: PCdoB na Câmara









Últimas Notícias



Presidente da CDEICS apresenta balanço das atividades de 2018

Direitos Humanos
Daniel cobra respeito aos direitos humanos no Brasil


Emenda parlamentar de Daniel Almeida garante ampliação do Hospital Municipal de Itiúba

Prevenção
Projeto de Daniel que estimula exames preventivos de câncer vai à sanção


PCdoB e PPL celebram união em ato político




Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br