NOTÍCIA

Daniel critica compra de votos na eleição da Câmara dos Deputados

Por PCdoB Bahia

Publicado em terça-feira, 2 de fevereiro de 2021



Após R$ 3 milhões de reais destinados à compra de votos por parte do governo Bolsonaro, o candidato Arthur Lira (PP-AL) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados na noite de ontem (1º), assumindo o mandato dos próximos dois anos (2021-2022).

Conforme o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), “esta foi a eleição que teve maior influência do poder econômico, do fisiologismo. Bolsonaro abriu os cofres para aliciar parlamentares para votos. A eleição aconteceu nesse ambiente de muita contaminação”.

O cargo de presidente foi disputado por oito deputados, entre eles, Baleia Rossi (MDB-SP), apoiado pelo PCdoB, por se embasar em um discurso democrático, de autonomia entre os Três Poderes, algo que o partido defende, e pelo ex-presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Por meio de verbas públicas e distribuição de cargos no governo federal, Arthur Lira conseguiu ganhar 302 votos dos 505 presentes na Câmara, derrotando o deputado Baleia Rossi, com 145 votos, candidato articulada pela oposição e partidos ligados ao centro político.

Diante desse cenário, a deputada estadual Olívia Santana (PCdoB-BA) chamou atenção, em suas redes sociais, para a importância das pessoas se preocuparem mais com a política do país, porque o centrão agiu “com violência e com falta de empatia”, como afirma ela, ao eleger o candidato de Bolsonaro.

A Mesa Diretora da Casa é composta pelo presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes. O bloco que apoiou Arthur Lira (PP-AL), formado por 11 partidos – como o PSL, PP, PSD, PL – ficou com cinco cargos: 1ª e 2ª vice-presidências, 3ª secretaria e duas suplências.

Já o bloco que apoiou a candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), formado por dez partidos – como o PCdoB, PT, MDB, PSB, PSDB, PDT, PV – ficou com quatro cargos: 1ª, 2ª e 4ª secretarias e uma suplência.

Mas o novo presidente Arthur Lira já decidiu extinguir este bloco, ao alegar suposta irregularidade no registro, e determinou a realização de uma nova eleição. Segundo Daniel Almeida (PCdoB-BA), essa atitude representa o desrespeito com as minorias, revelando que Arthur Lira tem a mesma personalidade tirana que Bolsonaro. Por isso, é preciso “ampliar a resistência e consolidar a frente em favor da democracia”, declarou o deputado baiano.