quarta-feira, 10 de julho de 2019


PREVIDÊNCIA

Fim das aposentadorias avança na Câmara



Após uma longa batalha parlamentar, em que a oposição utilizou todo os recursos regimentais para protelar a votação, a Câmara dos Deputados aprovou por 379 a 131 votos a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 06/2019 que altera as regras da previdência social. Apesar de algumas alterações, o texto aprovado praticamente inviabiliza a aposentadoria dos trabalhadores.

A expressiva votação obtida pelo projeto enviado pelo governo retrógrado de Jair Bolsonaro é maculada por denúncias de barganhas em que se destaca a liberação de emendas orçamentárias para obter o apoio de deputados. Apesar de na campanha ter adotado o discurso de que colocaria fim ao toma lá dá cá na relação com o Congresso, o governo ofereceu a cada parlamentar fiel um lote extra de R$ 20 milhões de emendas (em um total de mais de R$ 3 bilhões), que é o direcionamento de verbas do Orçamento para o reduto eleitoral dos parlamentares.

O próximo passo será analisar os destaques e emendas apresentados pelos partidos para tentar alterar pontos do texto. Os parlamentares deverão votar a PEC em segundo turno na Câmara e após encaminhar ao Senado Federal. A previsão é de que a votação em segundo turno ocorra ainda nesta semana.

Deputados da Oposição disseram que a mobilização popular é fundamental para barrar a matéria no Senado. “A dor é grande. São muitos anos de construção da Constituição. Por décadas, lutamos contra as tentativas de desconstitucionalizar a Previdência e a Seguridade nos governos Fernando Collor e Fernando Henrique. Agora, vem estes votos desqualificados em troca de tostões para retirar direitos do povo”, avaliou a líder da Minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Segundo ela, o esforço é para tentar reverter prejuízos em relação às aposentadorias de professores, mulheres e trabalhadores rurais. “Vamos tentar reduzir danos durante a votação dos destaques”.

O líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA) disse que o país está em crise, mas a reforma da previdência não será o remédio. “Diziam exatamente isso há dois anos atrás, quando debatíamos aqui a reforma trabalhista. Que era para gerar emprego, para destravar a economia, fazer a economia crescer. A economia está em recessão e o desemprego aumentou. Esta reforma da previdência é uma grande mentira, é para tentar jogar a conta nas costas dos trabalhadores, mais uma vez. Os trabalhadores não vão pagar essa conta. Essa reforma vai levar o Brasil para um buraco maior”.

A vice-líder da minoria, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), chamou a atenção para a forma de tratamento das pensões, que prejudica principalmente as mulheres e a injustiça ao nivelar os servidores como párias. “Este plenário está votando um cheque em branco, prejudicando servidores, a polícia legislativa, a polícia rodoviária federal, a polícia federal, os servidores do executivo, do legislativo, do judiciário e os professores. O ódio de Bolsonaro aos professores eu acho que é Rogério Marinho. A reforma é muito ruim e vai prejudicar professoras, subindo 7 anos. Essa reforma é para fazer um caixa para bancos para o seu Paulo Guedes. Ele está vendendo o Brasil e a economia dos brasileiros. O Brasil jamais esquecerá esses que são os verdadeiros inimigos do povo brasileiro!”.

Síntese da proposta aprovada

De forma geral, a reforma da Previdência, cujo texto-base foi aprovado, estabelece idade mínima para a aposentadoria: 65 anos para homens e 62 para mulheres.

São impostas também mudanças no cálculo dos benefícios, que vai contabilizar a média de todas as contribuições e exigir mais tempo na ativa para valor maior na aposentadoria.

Serão exigidos 40 anos de contribuição para um benefício igual a 100% da média das contribuições, enquanto o piso será de 60% da média. Há regras de transição para quem já está na ativa.

Fonte: PCdoB na Câmara









Últimas Notícias



Mundo em estado de alerta


PCdoB repudia plano de Bolsonaro para privatizar mais nove estatais


Daniel Almeida rechaça nova proposta de capitalização na Previdência


Daniel Almeida: "Os prejuízos ao trabalhador são muito graves" sobre aprovação da MP da liberdade econômica


Em carta, Lula agradece parlamentares por luta contra arbitrariedades judiciais




Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br