quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Deputados e cientistas se mobilizam para impedir interrupção no pagamento de bolsas de pesquisa



Manifesto com quase 1 milhão de assinaturas em apoio ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) foi entregue ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A ameaça de interrupção no pagamento de bolsas de pesquisa pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ganhou destaque na pauta da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (28). Representantes de entidades de apoio à ciência e tecnologia estiveram na Casa para pedir apoio de parlamentares para impedir o corte nas 84 mil bolsas de pesquisas financiadas pelo CNPq.

O problema teve início ainda na discussão do orçamento de 2019, feita no ano passado, quando o recurso destinado ao CNPq ficou aproximadamente R$ 330 milhões abaixo do mínimo necessário para manter o trabalho normal do órgão. No entanto, o atual governo, apesar de ter sido alertado e se comprometido, em junho, em destinar parte do crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões aprovado pelo Congresso para o Executivo para o financiamento das bolsas, ainda não conseguiu honrar o acordo.

A comunidade científica vem se articulando para pressionar o governo e conseguir os recursos necessários. A Bancada do PCdoB esteve junto na mobilização. Para o líder da bancada, deputado Daniel Almeida (BA), “o Brasil está sendo humilhado dia após dia por Bolsonaro e seu governo, que atua abertamente sabotando a educação e a ciência”.

Os parlamentares estiveram junto com os cientistas numa reunião com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na ocasião, foi entregue um abaixo-assinado com quase 1 milhão de assinaturas, pedindo que o orçamento deste ano seja recomposto, se garantam recursos suficientes no orçamento de 2020 e que não se permita a extinção do CNPq.

“O CNPq é uma instituição fundamental para que o Brasil alcance um ciclo de desenvolvimento econômico, social e tecnológico soberano. Destruí-lo é acabar com o futuro e a perspectiva da nossa ciência. Não podemos permitir que isso aconteça”, afirmou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

Rodrigo Maia reproduziu comunicado do governo de que garantiria um PLN destinando os R$ 330 milhões necessários para a finalização do ano, garantindo o pagamento das bolsas ativas. A expectativa é que o novo texto chegue ao Congresso nas próximas semanas. Maia se propôs ainda a articular soluções mais duradouras para a área.

“Estou preocupado que a gente construa soluções para o futuro. A gente tem que se preparar para participar dessa revolução tecnológica. Vamos trabalhar para construir uma solução emergencial”, disse.

Vice-presidente da Comissão de Educação, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), comemorou o resultado da articulação. “Considero uma grande vitória, construída a muitas mãos, e que afirma a força da luta e a virtude da unidade. Foi um compromisso verbalizado pelo governo ao deputado Rodrigo Maia e nós vamos aguardar em alerta, o cumprimento da palavra empenhada”, disse Alice Portugal.  

Os recursos do órgão, de acordo com o presidente do CNPq, João Azevedo, para pagamento das bolsas acabam este mês – o que intensificou a luta da comunidade científica.

Em audiência pública na Câmara nesta quarta, os cientistas enfatizaram a importância da dotação de recursos para o setor como ferramenta para combater a crise econômica e acelerar o desenvolvimento do país.
Representante da Academia Brasileira de Ciências, Luiz Davidovich lembrou que os investimentos vão além das bolsas e que a falta deles compromete o futuro brasileiro.

“Política econômica deve envolver visão de futuro, pensamento, sonhos. Quais são nossos sonhos para o futuro? Nossos sonhos para um país que não dependa só de commodities. Tudo bem exportar alimentos, mas vamos agregar valores à nossa pauta de exportações, vamos fazer remédios mais baratos para a nossa população. É lamentável que esses sonhos não estejam sendo incorporados, digeridos pelo Ministério da Economia. Todos os países sabem que para sair da recessão você investe em ciência e tecnologia e inovação. Essa é a ‘fórmula mágica’”, pontuou.

Atualmente, são 27 modalidades de incentivos à pesquisa pagas pelo CNPq, como as bolsas de iniciação científica, que pagam R$ 400 a alunos de graduação, e as de doutorado, no valor de R$ 500 a R$ 2 mil.

A presidente da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), Flavia Calé, reforçou o argumento de que o investimento na pesquisa é capaz de superar a crise econômica vivida pelo Brasil.

“No caso da Embrapa, por exemplo, a cada R$ 1 que se investe lá, a gente retorna R$ 11 desse investimento. Então, o investimento em pesquisa é realmente capaz de fazer o Brasil superar a crise econômica que a gente vive. Esses bolsistas estão produzindo um trabalho fundamental para o desenvolvimento nacional. Mas a formação desses recursos humanos de alta formação técnica leva tempo. Quantos cérebros e talentos a gente está perdendo? A gente precisa de escala na ciência para a gente chegar a ser um país desenvolvido, revertendo isso em dignidade para o povo. R$ 330 milhões é emergencial, não leva em conta os cortes que o CNPq já fez”, alertou.

Mais recursos

Durante a audiência pública, o atual secretário-executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia, Júlio Semeghini declarou que o governo está trabalhando para conseguir mais recursos para não interromper o pagamento das bolsas de pesquisa.

Cortes proibidos

Na luta pela ciência brasileira, o deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) também tem se mobilizado para reverter o quadro de “terra arrasada” em que a ciência foi relegada neste atual governo. O parlamentar apresentou o Projeto de Lei (PL) 2926/19, que proíbe o cancelamento e a suspensão de bolsas em andamento no país.

“Queremos dar segurança e garantias aos pesquisadores e à continuidade das pesquisas até o período previsto para o seu término, impedindo que ações nefastas de governos que desejam ferir de morte o ensino superior, a pós-graduação e a ciência nacional, afetem a retomada do desenvolvimento e o futuro da ciência brasileira”, explica o parlamentar.

O texto ainda aguarda deliberação na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara.

Nas ruas

Para reforçar a luta, no dia 7 de setembro, entidades estudantis estão articulando uma nova paralisação em defesa da educação. A luta contra os cortes do CNPq também fará parte da pauta dos manifestantes.

“Há muitos meses, os estudantes têm ido para ruas para denunciar a situação das universidades brasileiras. Esse governo tem atacado as universidades de forma absurda. Então, vamos às ruas para novas manifestações”, conclamou o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão.

Fonte: PCdoB na Câmara









Últimas Notícias



Bancada da Bahia defende criação do Tribunal Regional Federal da 8ª Região no Estado


Daniel Almeida denuncia cortes nos recursos de emendas feitas pela Bancada da Bahia


Daniel Almeida critica nova CPMF como solução para a economia


Em Brasília, Bancada da Bahia realiza reunião sobre novo fluxo de pagamentos de Emendas Federais


Daniel Almeida: “Governo fala em verde e amarelo, mas submete o Brasil aos EUA”




Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br