quarta-feira, 7 de junho de 2017


REFORMA POLÍTICA

Câmara instala comissão para analisar PEC da cláusula de barreira



A comissão especial que vai analisar o fim das coligações partidárias e a instituição da cláusula de barreira foi instalada na noite de terça-feira (6) na Câmara. Os integrantes do colegiado elegeram a deputada Renata Abreu (Pode-SP) para a presidência. Já a relatoria ficará a cargo da deputada Shéridan (PSDB-RR). Os nomes foram definidos em acordo dos líderes partidários da Câmara.

Lúcio Bernardo/Agência Câmara

O texto que será discutido e votado na comissão especial é a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/16, do Senado, que amplia o capítulo da Constituição que trata dos partidos políticos. Além das coligações e da cláusula de desempenho, a PEC trata da federação partidária e de fidelidade partidária.

De acordo com o texto, a partir de 2020 estariam vedadas as coligações entre partidos nas eleições para deputado (federal e estadual) e vereador; já a cláusula de desempenho para o funcionamento parlamentar das legendas valeria após 2018.

Pela proposta, já nas eleições do próximo ano, apenas os partidos que obtiverem 2% dos votos válidos em pelo menos 14 estados, com no mínimo 2% de votos válidos em cada um deles, teriam direito aos recursos do Fundo Partidário, ao acesso gratuito ao rádio e à televisão e ao uso da estrutura própria e funcional nas casas legislativas. A partir de 2022, a cláusula de barreira subiria para 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos 14 estados, com um mínimo de 2% dos votos válidos em cada um deles.

Para a presidente nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), a PEC não resolve o problema de representatividade. “Embora seja uma necessidade estruturante para a democracia brasileira, a reforma que se debate aqui, ao invés de resolver a crise de representatividade, acentua os principais defeitos do sistema político. A PEC impõe cláusula de barreira com percentual relativamente alto, impedindo a livre representação, a diversidade, a oxigenação e o novo na política”, avaliou a parlamentar.

Durante a reunião do colegiado, retomada após o fim da Ordem do Dia no Plenário da Câmara, diversos parlamentares falaram da necessidade de apressar a votação da proposta, para que as mudanças passem a vigorar já nas próximas eleições, em 2018. Para que isso aconteça, o texto deve ser aprovado na Câmara e no Senado até o final de setembro.

A presidente da comissão acredita nessa possibilidade. “Essa é a PEC mais fácil de ter um trâmite mais rápido, porque ela é simples. Só depende de um diálogo, de uma composição da relatora com os diversos partidos”, disse Renata Abreu.

A deputada afirmou que mesmo um dos pontos mais polêmicos da proposta – a cláusula de barreira – poderá ser aprovado no colegiado, ainda que com ajustes em relação à redação que veio do Senado.

Membro do colegiado, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) defendeu foco no trabalho. “Nosso trabalho será complexo, então, penso que a comissão deve ser célere e objetiva, pois podemos não evoluir se abrirmos demais os temas a serem tratados”, afirmou.

Segundo o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) é clara a inteção de partidos maiores em aprovar o texto que impactará legendas como PCdoB, PSol, Rede, que possuem número menor de parlamentares, por exemplo. "Nossa intenção é barrar esta PEC, mas sabemos das movimentações dos partidos grandes. Se não for possível impedir o avanço desta PEC vamos nos empenhar em negociar e diminuir o impacto dessas cláusulas, porque entedemos que ela fere o direito à livre organização partidária e o pluralismo político que prevalece na democracia brasileira", disse.

Os deputados deverão apresentar as emendas ao texto do Senado. O prazo se inicia nesta quarta (7) e vai durar 10 sessões do Plenário da Câmara. A comissão tem o prazo de 40 sessões – iniciado em 17 de maio, data da sua constituição – para discutir e votar o parecer, que depois irá para o Plenário da Casa.

Esta é a terceira comissão especial da Casa que discute mudanças na legislação político-partidária do país.

*Com informações da Agência Câmara

Por: Christiane Peres
Fonte: PCdoB na Câmara









Últimas Notícias


Ato por diretas já!
Ato contra as reformas e em apoio a Lula tomou as ruas de Salvador

Reforma Trabalhista
Lei Trabalhista: Inconstitucionalidades podem criar batalha jurídica

Denúncia contra Temer
Comunistas defendem aval para denúncia contra Temer

Condenação de Lula
Sentença contra Lula fere todos os princípios do direito


Senado aprova reforma de Temer e rasga legislação trabalhista




Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br