quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Daniel Almeida: "Os prejuízos ao trabalhador são muito graves" sobre aprovação da MP da liberdade econômica



Richard Silva/PCdoB na Câmara

A MP que modifica a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), alterando regras trabalhistas como as normas atuais para o trabalho aos domingos foi concluída nesta quarta-feira (14) e será encaminhada para apreciação do Senado.Após pressão dos deputados de oposição, o texto foi mitigado, mas ainda precariza as relações de trabalho. “Os prejuízos ao trabalhador são muito graves. Aprovada a matéria no Senado, agora ela será votada pelos senadores e lá ainda haverá debates, os empresários poderão definir a jornada aos domingos para todas as atividades. O trabalhador, de qualquer setor, terá que trabalhar domingo e só terá direito a folga neste dia a cada quatro semanas”, observou.

Daniel Almeida considerou que a liberação do trabalho aos domingos, sem que haja aval do sindicato da categoria econômica, por meio de acordo coletivo, é “um absurdo”.“Trabalho aos domingos, só a partir de acordo coletivo, a partir de respeito ao direito do trabalhador. Não de entregar essa prerrogativa exclusivamente aos empregadores. Isso não é liberdade. É uma tentativa de escravizar o trabalhador, de impor uma jornada que historicamente nunca se praticou. Esse é um dano muito grave dessa medida”, disse.

O texto final aprovado manteve o fim das restrições ao trabalho nos domingos e feriados, dispensando o pagamento em dobro do tempo trabalhado se a folga for concedida em outro dia da semana. O dispositivo foi duramente criticado pela oposição. O destaque apresentado pela Bancada do PCdoB, exigindo a negociação com o sindicato para definir os termos da jornada, foi rejeitado por 244 votos a 120.

Atualmente, a CLT define o descanso semanal aos domingos como regra. “É uma mudança muito danosa, muito ruim. Infelizmente, mesmo com o debate que a gente fez aqui, mesmo com toda a resistência que se fez, não foi possível evitar a sua aprovação”, avaliou.

O parlamentar também rebateu a narrativa do governo, que tem vendido a ideia que a medida vem para desburocratizar a atividade econômica e gerar empregos. O relator da MP, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), prevê a criação de 4 milhões de empregos em uma década.

“Esse é um velho discurso, que o custo Brasil é muito elevado porque o salário pesa muito e que isso impede o crescimento econômico. Mas já tivemos situação de quase pleno emprego, mesmo com toda a legislação trabalhista. Fica evidente que não são os direitos dos trabalhadores que dificultam o crescimento econômico e a geração de empregos”, assinalou.

Fonte: Com informações do PCdoB na Câmara









Últimas Notícias



Bancada da Bahia defende criação do Tribunal Regional Federal da 8ª Região no Estado


Daniel Almeida denuncia cortes nos recursos de emendas feitas pela Bancada da Bahia


Daniel Almeida critica nova CPMF como solução para a economia


Em Brasília, Bancada da Bahia realiza reunião sobre novo fluxo de pagamentos de Emendas Federais


Daniel Almeida: “Governo fala em verde e amarelo, mas submete o Brasil aos EUA”




Escritório Político Salvador:
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara, sala 203
Itaigara, Salvador-BA
CEP: 41815-135

Tel: (71) 3266-0063
ascom@daniel.org.br